terça-feira, 17 de julho de 2012

A influencia da alimentação no humor


O termo inglês “Trending Topics” são uma lista em tempo real dos termos mais citados em redes sociais. O que é altamente discutido naquele meio midiático de interação virtual entre pessoas. Popularmente seriam os assuntos que “bombaram”... 

Um tema considerado “trend” por aqueles que se interessam por assuntos comportamentais são as alterações do estado de humor. O interesse é grande pois, o impacto individua, comunitário e coletivo pode ser grande. Se pensarmos que o numero de pessoa com alterações de humor é cada vez maior, o impacto na economia global é astronômico.

Todo mundo tem um relato de algum familiar ou  pessoa próxima sofrendo com sentimentos de tristeza ou enfrentando um transtorno de humor ou afetivo. É um contingente grande de pessoas andando tristes ou deprimidas.

Entretanto mora ai uma diferença crucial que gera confusão e mal emprego de termos. Estar triste não é necessariamente estar deprimido. Podemos ter uma pessoa que esta triste mas não deprimida.

Tristeza é um estado momentâneo deflagrado por  fatos externos ao organismo da pessoa. Já a depressão é um transtorno psíquico, uma doença com causas internas, mas que pode também ter sido engatilhado por situações externas. “Como o próprio nome diz, trata-se de alterações psíquicas nas quais ocorre fundamentalmente uma modificação no estado de humor, bem como no nível de energia (ânimo) ou do interesse. O humor encontra-se patologicamente polarizado para tristeza-melancolia ou para exaltação-irritabilidade. Tais quadros podem ocorrem como episódios únicos, mas costumam evoluir em fases e ser recorrentes. Podem ter remissão (melhora) espontânea ou cronificar (piora), caso não sejam adequadamente tratados... A depressão “é caracterizada pela lentificação dos processo psíquicos, humor depressivo e/ou irritável (associada à ansiedade e à angustia), redução da energia (desanimo, cansaço fácil), incapacidade parcial ou total de sentir alegria e/ou prazer (anedonia), desinteresse, lentificação, apatia ou agitação psicomotora, dificuldade de concentração e pensamento de cunho negativo, com perda da capacidade de planejar o futuro e alteração de juízo de realidade.” (Psiquiatria Básica -  Neto e outros). 

No trabalho diagnostico do problema o profissional psicólogo ou médico se depara com uma necessária distinção do quadro depressivo. O cliente pode realmente estar sofrendo com uma depressão neurótica ou uma psicótica. Sem estender muito em definições técnicas, a depressão neurótica é uma perturbação caracterizada como conseqüência desproporcional a uma experiência penosa como a perda de um ente, uma separação afetiva, um fracasso profissional. É um apego exacerbado à situação ou fato sinistro. A sensação de ansiedade é sempre presente também. Já num quadro de depressão psicótica ocorre um rompimento com a realidade, alucinações e delírios durante um episódio de depressão maior.

É fundamental entender que no surgimento de uma depressão temos o componente de uma alteração bioquímica do cérebro.

Já vão longe os tempos em que se comprovou que o estado emocional  pode desencadear alterações orgânicas. Todos hoje são cientes que quedas da resistência imunológica esta muito ligada a desordens psicológicas. Também o surgimento de reações ou manifestações orgânicas na pele, as chamadas dermatoses, seguramente tem uma ligação muito estreita com estados emocionais irregulares.  Dentre os exemplos que podemos citar desse tipo de afecção: a dermatite seborréica (caspa), a hiperidrose axilar (sudorese), a palmoplantar – (psoríase das palmas da mão e dos pés), a dermatite artificial (auto-escoriação), a ticotilomania (arrancar pelos e cabelos). Esse assunto é estudado por uma abordagem crescente denominada Psicodermatólogia (Psicologia+Dermatologia) que em breve estaremos aprofundando

Mas seja em qualquer um dos dois casos, tristeza ou depressão, a superação do quadro se dará com maior qualidade através do apoio pisocterapeutico. A psicoterapia é primordial pois, só assim é que a pessoa tem condições de se aprofundar em processo de avaliação das causas daquela situação. É um processo rico e produtivo.

Uma pergunta se faz presente: e qual o papel da medicação neste processo¿ Ela estabiliza a pessoa em casos de total comprometimento das ações cotidianas. É uma atuação no campo bioquímico do organismo.

Neste mesmo aspecto bioquímico, um recurso que crescentemente atrai a atenção como aliado ao tratamento de transtornos psíquicos: o cuidado com o que se come. Não só o que se come mas a qualidade do que se come

As pessoas que residem principalmente em grandes cidades, quase via de regra comem apenas alimentos produzidos a base de agrotóxicos ou alimentos manufaturados (alimentos de conveniência). Os agrotóxicos contaminam os alimentos, o meio-ambiente e na esteira as pessoas também. Os efeitos da contaminação dependem não só da dose, como também do tipo de poluente. “No que concerne à contaminação dos alimentos, é  alarmante que produtos como carne, leite, cereais e hortaliças não são monitorados sistematicamente para detectação de resíduos tóxicos. Há alguns estudos, como o realizado pelo Instituto Biológico de São Paulo, entre 1997 e 1998, que apontam 27% das frutas comercializadas contaminadas por agrotóxicos e dessas 20% com resíduos proibidos. Nas hortaliças, a contaminação foi ainda foi mais elevada, 44% das amostras apresentaram resíduos tóxicos. Por exemplo, o chumbo altera a síntese de hemoglobina, provocando anemia, insuficiência renal, problemas no sistema nervoso, cólicas intestinais e convulsões.” Assim se temos indicações fortíssimas que se esses componentes tóxicos afetam nosso equilíbrio metabólico, é de se inferir que nosso cérebro também é afetado. Através da nossa alimentação podemos estar adquirindo um bilhete para processos “obliterantes” do bem estar. 

Uma proposta é aliar a psicoterapia com uma melhor avaliação, um cuidado com a forma de se alimentar. Isso é possível.

“Muito comentada é a chamada dieta mediterrânea caracterizada pela abundância de alimentos como pão, massas, verduras, saladas, legumes, frutas e frutas secas, azeite de oliva como principal fonte de gordura, moderado consumo de pescado, aves, produtos lácteos e ovos, pequenas quantidades de carnes vermelhas. Esta dieta é pobre em ácidos graxos saturados, rica em carboidratos e fibra, e tem alto conteúdo de ácidos graxos monoinsaturados derivados do azeite de oliva. A idéia é consumir menos gordura animal e alimentos quimicamente modificados e enriquecer a mesa com alimentos ricos em fibras e pobre em açúcares e gorduras. Cerca de 60% do cardápio é composto por cereais; 25% por gordura de origem vegetal, como o azeite de oliva; e apenas 5% por carne. Estudo científicos apontam que a dieta mediterrânea retarda os danos ao cérebro causados pelo envelhecimento e aumentar a longevidade.”

Estudos e praticas muito promissoras tem sido desenvolvidos nos últimos tempos para a produção e o consumo de alimentos “simpáticos” a manutenção da saúde física e metal. Um exemplo é a chamada Agricultura Natural e Agricultura Urbana. Essa ultima inclusive é grande aliada das ações preconizadas por estudiosos da  Terapia Ocupacional. 

A Agricultura Natural visa restabelecer o processo natural de produção de alimentos e é desenvolvida seguindo-se um sistema técnico capaz de alcançar os objetivos do método: 

 a) Produzir alimentos que incrementem cada vez mais a saúde do homem.
 b) Ser nutritivamente vantajosa
 C) Poder ser praticada por qualquer pessoa e, além disso, ter caráter permanente.
 D)Respeitar a Natureza e conservá-la.

E se engana que esses tipos de praticas são impossíveis de serem realizadas por moradores de grandes cidades. Um dos conceitos mais importantes dessa pratica  é a chamada  “Pratica da Horta Caseira”.   E o que vem a ser isso?  “É uma atividade continua  de ciclos de plantio e coleta, mas com o foco voltado para o equilíbrio do praticante mediante a sensibilização sobre a Natureza, sobre o tempo, sobre a valorização dos alimentos. Pode ser caracterizada por pelo menos, um recipiente de cultivo continuo. Um exemplo simples: uma horta de temperos que se cultiva em janela de apartamento.” (Hetmanek e outros – Agricultura Natural)

Desde o plantio até a coleta dos alimentos o envolvimento da pessoa é grande e prazeiroso. Vale ai uma dica aos que se interessarem por uma experiência de satisfação: buscar sementes mais puras possíveis. Um fornecedor muito interessante é a ISLA (www.isla.com.br)

Com esses alimentos, o ganho em processos terapêuticos podem ser grande uma vez que auxilia para uma operação mais bem manejada. É uma contribuição efetiva para a melhora da qualidade de vida da pessoa.

Favorecer o progresso de possibilidades de equilíbrio pessoal é sempre a meta. Trabalhar por uma  qualidade de vida melhor em que  o indivíduo  transforma o que o deprecia em valor para si e para a sociedade é aquilo que praticas como essas alicerçam.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

O toquinho do elefante.




Um dos animais que mais gera fascínio nas pessoas são os elefantes por seu porte e força física. Mais impressionadas as pessoas ficam, pelo fato de como é possível “enquadrar” esses gigantes, que só em alimentação consomem por dia o peso de um homem adulto em folhagens.

Há milênios os habitantes do sul da Ásia e da África Central utilizam um método de domesticação com esses colossais quadrúpedes que poderíamos apelidar de “técnica do toquinho”. Ainda filhote, o elefante é amarrado a um pequeno resto de um tronco de árvore que fica ligado à terra, depois de cortada. O elefantinho ainda não tem força para vencer a resistência do toco  e, assim não consegue se mexer por mais do que poucos metros. Naquele local ele é alimentado e adestrado, crescendo acostumado ao empecilho. Quando adulto, mesmo tendo força para arrancar uma árvore inteira pela raiz, ele se acredita, por “condicionamento”, incapazes de se soltar do “toquinho”.

É interessante quando ponderamos a respeito das pessoas , visto que cada um de nós a partir de certas condições e circunstâncias desenvolve  estilos de pensamento e de comportamento. Os indivíduos pensam e atuam sempre em consonância a perspectiva que construem do mundo.   Uma pessoa pode ter construído uma forma de enxergar os fatos de maneira pouco hábil. Daí ela não exercerá suas funções positivamente a si mesmas. É como se estivessem amarrada a toquinhos.

Quando uma pessoa procura ajuda profissional de Psicologia traz queixas que podem ser das mais variadas ordens: saudosismo além da conta, insistentes e infundadas idéias pessimistas, perda do apetite, dores corporais que não passam com o uso de remédios prescritos por médicos, sudorese excessiva em situações específicas e muitas outras.  Muitas vezes sobre essas situações ela  não ela consegue entender a causa imediata e nem por meio dos processos clínicos técnicos. São desconfortos ligadas ao que a pessoa sente sobre si mesma e sobre o seu mundo circundante.

O profissional psicólogo a atenderá buscando criar uma interação entre seus os pontos de vista e sua própria forma de ver o mundo. Entra ai também na mediação desse trabalho  uma base teórica que pesquisa e explica muito do ser humano naquilo que lhe é mais caro: a forma de pensar e agir. A essa fundamentação teórica dá-se o nome de abordagem.

O suporte psicológico toma em consideração a versão que um cliente faz do seu universo e de si próprio. Uma das formas desse tipo de processo estará focada na compreensão daquela vida, dos seus entraves do momento buscando construir novas formas de trato daqueles desconfortos. Faz parte uma alteração de percepções, estados emocionais e de comportamento.

Não é mudar a essência da pessoa, mas sim vivificá-la.

A tempo, o pensador Mokiti Okada pontua em seus textos que os homens são mais eficazes quando aprende a prestar atenção aos exemplos que a Natureza nos dá.

Os elefantes atracados a toquinhos não mudam sua “perspectiva” em relação a sua vida uma vez que não dispoem da possibilidade de articularem suas emoções e suas ações.

Bem diferente dos elefantes ou mesmo do que diz a bela “Modinha para Gabriela” (Quando eu vim para esse mundo... Eu não atinava em nada... Eu nasci assim, eu cresci assim... E sou mesmo assim, vou ser sempre assim) as pessoas podem mudar sua maneira de sentir e agir sobre si e sobre o mundo. E neste sentido um suporte psicoterapêutico é sempre muito valioso.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Fumantes sofrem preconceito e estigma?


Desde que o cigarro perdeu o poder de conferir charme, uma discussão inflamada sobre os reflexos à imagem dos fumantes vem se dando nos círculos publicitários, psicológicos e jurídicos.

Neste embate posicionam-se contrários os interessados em que nunca cessem de surgir novos fumantes - as empresas da cadeia do tabaco e que os indicam os malefícios que o fumo traz às pessoas. 

E em 15 de dezembro de 2011, aqui no Brasil,  a coisa toma maior vulto com a entrada em vigor da Lei Federal 12.546 que coloca: “É proibido o uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco, em recinto coletivo fechado, privado ou público.”

A industria do fumo experimenta re-inventar a todo o momento seus caminhos para que sua atividade principal não sucumba. Procura novos mercados consumidores nos países menos desenvolvidos e até, pasmem, tenta vincular a predileção infantil as guloseimas aos seus produtos derivados do fumo:cigarros com gosto de chocolate, menta, aromáticos, etc. 

Essa mesma indústria trabalha uma poderosa,  mas não declarada estratégia de apontar “preconceito e estigma” sobre os adquirentes e usuários de cigarros. O termo conceito é uma derivação do latino conceptus. Significa aquilo que é concebido ou entendido de maneira mais profunda. Algo estabelecido ao nosso mundo mais intimo e de dissolução difícil. Já estigma vem do termo latino stigma, um sinal. 

Os tabaqueiros  tentam emplacar a idéia de que os fumantes hoje não tem a mesma liberdade de ir, vir e estar quando são apartados nos mais variados ambientes daqueles que não fumam por opção e/ou auto-preservação. 

Em tempos do “politicamente correto” a simples menção a existência de um preconceito ou de uma estigmatização gera solidariedade em outras pessoas. Os jovens são mestres em abraçar causas até mesmo por infundada transgressão. Só isso já é um alerta as autoridades e agentes da Educação e principalmente as famílias de que isso pode ser usado como mais combustível para o acesso das crianças e dos jovens ao cigarro que no afã de quebrarem "ordens" e independentes se tornam novas presas fáceis.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Uma odisséia corporativa chamada treinamento comportamental.


Em 1927 foi lançado pelo diretor e cineasta austríaco Fritz Lang o clássico  Metrópolis. Cinqüenta anos depois, em 1977, foi lançado pelo americano George Lucas o primeiro longa metragem de nome “Guerra nas Estrelas”. Este filme deu origem a uma série de outras seis edições. Mais recentemente, em 2009, James Cameron lança Avatar , um filme grandioso sobre uma guerra entre habitantes da lua de Saturno (Pandora) e seres humanos extremamente desenvolvidos tecnologicamente. Esses filmes se assemelham por terem situações cheias de aventuras extraordinárias, quase dramáticas.

 As empresas têm atravessado praticamente uma “saga cinematográfica” aos moldes  dos filmes citados quando se analisa a suas estratégias para captar, suprir e reter colaboradores talentosos e adequados. Quando a esses movimentos adiciona-se o peso financeiro que é contratar um funcionário dentro das determinações legais da CLT, o cenário é de uma epopéia. Para ilustrar: no Brasil,  um empregado chega a ter um custo mensal de 80% a mais do valor do seu contrato. Este custo pode variar até 187% a mais conforme ramo de atividade, convenções sindicais ou regime de apuração da empresa contratante. Não por outro motivo que muitas empresas de prestação de serviços, por exemplo, as grandes empresas de pesquisa de mercado, opinião e mídia, optam por contratar especialistas e entrevistados por projeto.

Infelizmente só o talento e a adaptabilidade de um funcionário não são suficientes para essa conexão seja proveitosa.

A esperança é que o comportamento do funcionário em relação à empresa, seus colegas, sua equipe, seus clientes e a concorrência seja “pra lá” de apropriado. E isso pode parecer fácil, entretanto não o é.  Esta é  razão pela qual as empresas têm, através de seus gestores de pessoas, investido pesado nos treinamentos, entre eles as capacitações  comportamentais. Segundo a Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD) o investimento no setor de treinamento por pessoa em 2012 deve ter um valor médio de R$4965,00 (levantamento feito juntos aos associados da instituição).

 Esses números são muito interessantes uma vez que o Brasil é tido internacionalmente como um país de pessoas cordiais.  Por tradição cultural, no Brasil se tem um fortíssimo vínculo parental que incentiva a “afetuosidade e a intimidade”. E ai mora um contrassenso.  Os colaboradores brasileiros são apontados por empreendedores e gestores estrangeiros como funcionários que misturam o que é de caráter pessoal com o que é de natureza profissional.

Os treinamentos comportamentais são importante ferramenta de “re-educação” dos colaboradores. Ajudam a aprimorar a circulação da informação pró-ativa entre os funcionários de uma empresa. Capacitam a pessoa através de situações praticas e relacionadas ao ambiente no qual ela trabalha.

O trabalhador, quando bem aproveita um treinamento comportamental consegue melhor se apresentar dentro e fora da empresa. É um processo de ganho geral.

Okada, em trecho de um de seus textos sobre o desenvolvimento humano escrito em 1954, coloca que : “a simpatia é muito mais importante do que imaginamos, pois tem muita relação não só com o destino do indivíduo, mas também com a sociedade. Se alguém se tornasse simpático graças ao relacionamento com uma pessoa simpática e isso fosse se propagando continuamente, é óbvio que a sociedade se tornaria bastante agradável. Por conseguinte, diminuiriam os problemas... Não existe meio melhor  do que esse, pois não requer dinheiro, não é trabalhoso e pode ser posto em prática imediatamente.”

Do filme “Os 300 de Esparta” tira-se  uma súmula de trabalho de equipe: boa escolha de componentes para exercito, compreensão de missão e de objetivos. Ou seja, cada soldado lutava – bem treinando- a sua luta, mas tendo como foco  a valorização e a sobrevivência de cada companheiro.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Apego. Uma pedra que queima a mão mas...


Os sociólogos têm desenvolvido interessantes estudos sobre as mudanças que caracterizariam as pessoas de acordo com a época em que elas nasceram. Esses estudos levam em conta o que é valorizado por cada geração. Por exemplo, as pessoas que nasceram entre os anos 60 e 70 do século XX têm uma forte ligação com a televisão, uma vez que foi nesta época que a mídia televisiva explodiu no mundo. Já as pessoas que nasceram a partir de 1995, foram alcunhadas de geração Z – a geração que nasceu ligada na internet. 

Mas o que podemos pensar como elementos que assemelhem as pessoas que nasceram nestes últimos 50 anos?

O descarte e o consumo de produtos são dois fenômenos crescentes que assinalam esse espaço de meio século. Só no Brasil, segundo o IBGE, a produção de lixo era da ordem de 290 mil toneladas por dia em 2000. E de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio promovida pelo Instituto para Desenvolvimento do Varejo de São Paulo, as vendas reais  cresceram 12,5% no mês de março de 2012 na comparação com março de 2011. Ou seja, jogamos muita coisa fora e também compramos cada vez mais.

Em meio a esse turbilhão de índices estratosféricos de descartes e de consumo um traço atemporal  das pessoas nos chama a atenção: o apego.

Sobre o sentimento de apego têm-se diferentes acepções. Elas vão desde interpretação negativa dada pelas linhas religiosas como aquilo que mais prejudica o ser humano em seu desenvolvimento, até as estratégias das empresas para conseguir a fidelização completa de seus clientes (o sonho dos gestores de cartão de crédito é que os clientes comprem até água mineral através de seus bilhetes plásticos).

Em Psicologia estuda-se o apego como algo necessário no estabelecimento dos laços afetivos e de valorização dos elementos que compõem a identidade de cada pessoa. Quando ele toma contornos patológicos gera conjunturas complexas como síndromes e até tragédias humanas. Casos intrincados em que uma pessoa sofre com uma relação extremada de apego a outra pessoa, animal ou objetivo desafiam os profissionais de Psicologia Clínica e de Medicina.  E ainda não se encontrou uma cura.

Uma anedota antiga conta que um componente de uma tropa de viajantes encontrou uma fervente pepita de outro às margens da cratera de um vulcão. Rápido ele a pegou com as mãos acreditando que ali se encontrava a sua imediata aposentadoria. Suas mãos começaram a queimar. Ele gritava de dor. Os outros viajantes vieram em seu socorro e lhe falavam para que soltasse a pedra. Mas ele não aceitava perde-la. Conclusão: ele perdeu as mãos.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Uma pergunta bem feita, às vezes, vale mais do que a resposta.


Pensem, porém, que todo e qualquer problema, seja ele qual for, tem apenas uma solução, nunca várias soluções. – (As cinco inteligências – M. Okada  - 20 de agosto de 1949)

Não seria ousadia dizer que uma boa pergunta é o farol em muitas situações. Que o digam os agentes da lei que lidam com “quadrantes” da vida social. Outro exemplo simples desse fenômeno são os muitos relacionamentos afetivos e profissionais se desfazem pela falta de um interesse ajustado ao tempo, ao lugar e às condições daquela ligação.  

Isso ocorre também, mais complexamente, nos estudos acadêmicos, mercadológicos,  políticos e  científicos quando não se define corretamente a pergunta que vai  dar aos pesquisadores a possibilidade obter informações que alicercem ações pro-ativas.

Uma pergunta feita de forma assertiva é o pilar central de um trabalho. Como desdobramento dessa máxima, quem consegue fazê-la com profundidade e abrangência  merece todo o louvor.  

A definição de uma boa pergunta não é fácil. Exige sensibilidade, inteligência, conhecimentos prévios, interesse, observação, muitas das vezes uma boa dotação técnica e competência preciosa: a paciência.

Por igual, porque é tão difícil fazer uma boa pergunta, seja ela para vida corriqueira do dia-a-dia ou para equalizar uma intrincada problemática de mercado?

Porque normalmente não sabemos o que queremos ou precisamos para nós mesmos. Através de comportamento inadequado ou falta de bom senso nos boicotando. Há ai uma má definição de objetivos.

Exemplifiquemos com um processo terapêutico.  Uma pessoa que chega a um psicoterapeuta com queixas sobre a sua vida, raramente tem suas questões  “arrumadinhas”,  delimitadas e transparentes. Há uma percepção circunscrita das coisas. O “queixoso” por vezes, não consegue enxergar respostas que possa analisar ou contrapor.  Não tem “hipóteses” sobre o que acontece consigo.  O lugar do profissional neste processo é ajudar ao atendido (seja ele um cliente de psicoterapia ou um solicitante de uma pesquisa de mercado, por exemplo) a focar o ponto vital, o problema. Só então se dá o próximo passo que é entender a causa do problema  que ocorre.

Vale lembrar que para os conhecimentos milenares como a tradição tibetana ou a filosofia budista os problemas sempre tem como lado reverso uma oportunidade.

Alguém já falou que as respostas sempre existiram, mas as perguntas não.

No contexto corporativo todas as vezes que temos uma resposta que incentiva uma atitude inovadora, abre-se porta para o starte de um processo que pode alterar toda a vida daquela empresa.  A essa ação processual da-se o nome de PROJETO. Esse será o assunto de um próximo post.